segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Análise Patológica

A semana que passou foi bem agitada. Retirei os pontos na quarta-feira. Na quinta tive consulta com o Dr. Júlio e na sexta recebi o resultado da avaliação patológica da peça retirada na cirurgia. Conforme laudo, o índice de necrose, segundo a classificação de Huvos, foi grau II. Isto significa que havia uma necrose predominante porém existia mais de 10% de tumor viável, ou seja, existia necrose e ela era inferior a 90%. A escala vai do grau I ao IV, sendo o IV correspondente a inexistência de tumor viável, o melhor prognóstico possível. Além disso, a dimensão da neoplasia, que fora estimada em 8,5 cm na última ressonância magnética, na verdade era de 6,5 cm no seu maior diâmentro.

O resultado do tratamento quimioterápico neoadjuvante não foi o melhor de todos conforme demonstra uma boa parte dos estudos estatísticos sobre osteossarcoma. Alguns estudos tratam necrose inferior a 90% como "prognóstico desfavorável". Isto porque estes modelos sugerem uma relação direta entre a sobrevida - tempo livre de tumor após a retirada do mesmo - e a necrose tumoral: quanto maior a necrose, maior a chance de estar livre da doença em um determinado intervalo de tempo (normalmente os estudos tratam de sobrevida em cinco anos). Entretanto, nos últimos anos surgiram estudos que contestam estes números, comparando-os, inclusive, com a opção de não se realizar a quimioterapia neoadjuvante. Em um destes estudos, uma análise de 100 casos demonstrou que a sobrevida do grupo que não utilizou quimioterapia neoadjuvante foi em torno de 69% em cinco anos, enquanto que os que realizaram tiveram uma sobrevida de 61% no mesmo período. Além desses estudos, existem muitos relatos de casos classificados como grau III e IV segundo a escala de Huvos que tiveram recidiva em menos de um ano após cirurgia de ressecção tumoral.

Diante destas informações e considerando os estudos mais recentes, a única coisa que consigo concluir é que o osteossarcoma possui um caráter muito aleatório, parece não ter muita lógica, varia muito de paciente para paciente. O fato do meu tumor não ter tido um grau maior de necrose também pode estar relacionado à antecipação da cirurgia, portanto não existe um motivo claro para pensar em um prognóstico desfavorável. Por outro lado, existem motivos de sobra para lutar até o fim. A guerra ainda está na metade, muitas batalhas ainda virão e a próxima será o 6º ciclo de quimioterapia, cuja droga a ser aplicada é o methotrexate (amarela). Em princípio, serei internado no dia 21/02/2010 no Hospital São Lucas da PUCRS, onde ficarei até o final da semana.

Outra luta que tenho travado é a fisioterapia. Confesso que esperava encontrar maior facilidade, porém o quadro está evoluindo. Na primeira semana a minha flexão máxima era de 25º. Semana passada atingi os 35º. Tenho certeza que em breve atingirei os 90º e a partir daí tudo passará a ser normal. A boa notícia é que ao retirar os pontos, o Dr. André receitou que eu ande sem muletas, o que tenho feito mancando mas sem maiores dificuldades.

Para quem ainda não viu a cicatriz após a retirada dos pontos, segue a foto:


Ainda com os pontos.


Sem os pontos.

A seguir alguns estudos disponíveis na web:

Protocolo anatomopatológico para neoplasias ósseas malignas após tratamento quimioterápico
http://www.fleury.com.br/Medicos/SaudeEmDia/Artigos/Pages/Protocoloanatomopatol%C3%B3gicoparaneoplasias%C3%B3sseasmalignasap%C3%B3stratamentoquimioter%C3%A1pico.aspx

Osteossarcoma pélvico
http://www.rbo.org.br/materia.asp?mt=1456&idIdioma=1

Significado Prognóstico do Tamanho Tumoral no Osteossarcoma Infantil
http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/657/65710302.pdf

Características clínicas do osteossarcoma na infância e sua influência no prognóstico
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572004000100013&script=sci_arttext

Locais incomuns de metástases do osteossarcoma: relato de nove casos de uma mesma instituição
http://www.rbo.org.br/materia.asp?mt=933&idIdioma=1

Osteossarcoma: experiência do Serviço de Oncologia Pediátrica da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-36162008000300002&script=sci_arttext

Bone: Conventional osteosarcoma
http://atlasgeneticsoncology.org/Tumors/ConvOsteoID5344.html

Osteossarcoma - A cura possível
http://www.revistapesquisamedica.com.br/PORTAL/textos.asp?codigo=11578

9 comentários:

tatiane disse...

Oi Vitor!
Hj atualizei minha leitura do blog!Pelo que tu conta de novo, esta tudo correndo bem. A tua cirurgia e a tua historia certamente acrescentarao numeros positivos a estes estudos! Forca para a fisioterapia, mas pelo que vi qnd te visitamos, mesmo que esteja sendo dificil, logo logo tu estara andando normalmente!
Bjao para ti e para todos ai!
Tati

Patrick disse...

Vitor Por mais incrivel que pareça consegui entrar no tal do Blog (depois de meia hora). Espero que você esteja se recuperando bem e que esteja tranquilo, e lembre que tudo na vida passa, mesmo que demore, mas passa. Um abraço!

Karen disse...

Não haverá recidiva, voltarás a caminhar normalmente dentro de pouco tempo, as reações da quimio não serão tão agressivas daqui pra frente e cicatriz em homem é puro charme!!!!
Pode acreditar!
Te amooo

Nina Marona disse...

Oi Vitor!

Venho acompanhando tua batalha, torcendo e rezando por ti! Fico feliz de saber que estas bem. Fiquei impressionada com a forma que você escreve, tens muito talento, quem sabe daqui a pouco não transforma este blog em um livro!

Um abração enorme!!!
Karina Marona

Maria Zilá disse...

Vitor, as melhoras já são evidentes! É muito bom saber que, como dissestes no blog, já está conseguindo andar devagar e dar passos sem muleta e aumentou a flexão do joelho. É isso aí! Passo a passo da recuperação plena! Continuamos torcendo para que te recupere o mais breve possível.
Adoramos todos vocês!
Beijão e boa semana!
Tia Neca, Ju e Tio Lourenço!

Professor disse...

Olá Vitor !
Li a tua última postagem - 8\2. Tudo bem. Os resultados, comparados com a estátistica,vão apenas acrescentar um dado novo para uma nova estatística. O importante é ter presente que o tratamento continua e nada vai mudar o objetivo que foi traçado no início. Ter clareza de toda a situação é importante para o sucesso. E isso tu tens de sobra.
Aguenta o tranco parceiro que está chegando o dia em que vais correr para os abraços da vitória.
Estamos, aqui longe, torcendo por ti .
Abraços

acidk disse...

e ae xará!

A guerra é durante toda nossa vida, e cada batalha vencida é uma medalha de honra pessoal, e mais uma tu venceste... os estudos, ainda conforme tua conclusão, mostram que o ponto crítico a definir o resultado dessa batalha é o próprio guerreiro! A força-de-vontade é essencial e claro o apoio da família e amigos que isso tens de sobra!

abraço!

Vítor

Zela disse...

E dae cara, vc nao me conhece, mas também estou no início de uma jornada contra o câncer...(Testículo). Graças a Deus já fiz a cirurgia e a situação não é tão grave. Ainda não está definido o tratamento pós-cirurgico, porém se tiver que fazê-lo será uma medida preventiva. Também tenho 22 anos, e as vezes me pego pensando, qual o motivo de isto ter acontecido comigo? Acho que todos nós pensamos isso em momentos como este, e acho que de fato são situações e jornadas propostas pela vida. Não há como escapar. Deve ser um tipo de teste. E com estas etapas vencidas, aprendemos o grande valor da vida, e passamos a nos importar com coisas que antigamente nem ligávamos. Bom se eu começar a escrever aqui não paro mais...rs...Mas deixo meu e-mail aqui, para trocarmos mais idéias...

E-mail: oohayfdp@yahoo.com.br

Um grande abraço e melhoras...José.

Patrícia Regina disse...

Oi,
é a primeira vez que escrevo assim ... pra alguém que não conheço!
Sabe Vitor eu sou dentista radiologista e qdo vi o seu blog comecei a ler porque apresentei um trabalho esta semana sobre osteossarcoma e agradeci muito a Deus por meus filhos estarem bem!
Mais ainda bem que o seu é no fêmur porque o de maxila... não tenho nem palavras.
Que tudo dê certo pra vc!

Patrícia
30 anos.