domingo, 23 de junho de 2013

Instantes finais

Começa amanhã o oitavo ciclo de quimioterapia deste segundo tratamento, que seguirá a mesma prescrição dos demais. Serão cinco dias de ifosfamida e ethoposide. Depois disso, mais uns dez dias até a imunidade estar plena novamente e alguns dias a mais para recuperação do nível normal de plaquetas.

Este oitavo ciclo pode ser o último. O tratamento estava inicialmente previsto para nove ciclos, porém o nono ciclo significaria uma dose cumulativa das drogas muito próxima àquelas consideradas limites. Considerando que até o momento meu quadro permaneceu estável, ou seja, até aqui não foram identificadas novas metástases nos exames de imagem, optamos por reduzir o tratamento a oito ciclos.

Sendo assim, amanhã pode ser o início do fim deste segundo tratamento. A confirmação só ocorrerá com os novos exames de imagem, que realizarei após o período de recuperação desta última quimioterapia. São os minutos finais do jogo. Falta pouco, então é preciso redobrar a atenção e resistir até o fim. Reforça-se dentro de mim a cada momento a esperança de dias melhores, livres do câncer e de todas as inquietações mais latentes que ele produz, mas também repletos das certezas e incertezas inerentes à vida que a fazem tão imprevisível e ao mesmo tempo tão desafiadora.

Aliás, sobre a esperança, a seguir transcrito está um trecho do livro Não nascemos prontos! – provocações filosóficas (Petrópolis, RJ: Vozes, 2006) do filósofo Mário Sérgio Cortella.

Enquanto há vida... 
Temos hoje um razoável consenso: os tempos estão terríveis, difíceis, complicados; partilhamos uma época de grande intranquilidade espiritual, de inúmeros padecimentos físicos, de infindos distúrbios existenciais, de profundos dilemas morais. Cabe, porém, uma questão: alguma vez não foi assim? Levando em conta que todo e cada ser humano sempre viveu na era contemporânea, em qual delas não teria valido, então, o alerta de Guimarães Rosa de que “viver é muito perigoso”? 
No entanto, resistimos! A esperança é um princípio vital, expresso na sábia e verdadeira constatação comum de que “enquanto há vida há esperança”; mesmo face às mais (aparentemente) intransponíveis circunstâncias achamos possível ser de outro modo, inventamos e reinventamos alternativas, recusamos a possibilidade de as realidades nos dominarem, e, sem cessar, sonhamos com o mais e o melhor. Em princípio, como para outros animais, as memórias das inevitáveis e sofridas (mas não exclusivas) experiências cotidianas deveriam nos deixar como legado o medo da repetição, o temor cauteloso pelo retorno da sensação ruim e, até, um impulso em direção ao desalento. Contudo, de novo, resistimos! 
É por isso que, em pleno Renascimento (sempre renascimento...) do século 16 ocidental, o magistral Michelangelo dizia que “Deus concedeu uma irmã à recordação, e chamou-lhe esperança”. Essa ideia foi retomada no século 19 pelo dramaturgo francês Victor Hugo - não por acaso um dos expoentes máximos do Romantismo - que afirmava ser “a esperança uma memória que deseja”; e, ainda, na obra Os miseráveis, o mesmo autor nos instiga, afirmando que “julgar-se-ia bem mais corretamente um homem por aquilo que ele sonha do que por aquilo que ele pensa”.  
Sonho aí não significa, claro, devaneio inútil ou delírio; sonho nessa acepção é o lugar do não-pronto, mas, desejado, ansiado, querido. Nessa direção, também o Oriente nos socorre com a milenar inspiração que anima os escritos de Zhou Shuren (mestre da moderna literatura chinesa, conhecido pelo pseudônimo literário Lu Xun); escreveu ele que “a esperança não é nem realidade nem quimera; ela é como os caminhos da terra: sobre a terra não havia caminhos; eles foram feitos pelo grande número dos que passam”.  
O dinamarquês (depois naturalizado norte-americano) Jacob Riis (considerado o primeiro fotojornalista) dedicou sua arte na transição do século 19 para o 20 a escancarar a magnitude dramática da pobreza urbana; publicou centenas de fotografias daqueles que Victor Hugo imortalizara como miseráveis, mas plenos de esperança. O fotógrafo consignou a humana capacidade de não desistir em uma belíssima imagem, ao dizer que “quando nada parece ajudar, eu vou e olho o cortador de pedras martelando sua rocha talvez cem vezes sem que uma só rachadura apareça. No entanto, na centésima primeira martelada, a pedra se abre em duas, e eu sei que não foi aquela a que conseguiu, mas todas as que vieram antes”.  
Os excessivamente pragmáticos (ou corretamente chamados de idiotas da objetividade) diriam ser esta uma concepção piegas; são esses, com muita probabilidade, incapazes de compreender a esperança como produtora de futuro e aniquiladora da dureza do existir. Assim, não perceberiam a profunda beleza contida na lenda atribuída ao, também cortador de pedras, Michelangelo. Ao ser perguntado sobre como fizera a escultura de Davi (com quase 4,5 metros em um só bloco de mármore, guardada na Academia de Belas Artes de Florença), ele disse: “Foi fácil; fiquei um bom tempo olhando o mármore até nele enxergar o Davi. Aí, peguei o martelo e o cinzel e tirei tudo o que não era Davi”... 

20 comentários:

Anônimo disse...

Desejo boa sorte para você e muito sucesso. Encontrei seu blog faz alguns meses ao ter alguém da família muito próxima a mim com essa mesma doença. Foi muito útil e valeu demais as informações contidas aqui. Aquele abraço.

Anônimo disse...

Vitor , tenho acompanhado seu blog ! Fico emocianada de ver sua força , determinaçao e fé ! Torço por você!!

Karen Finkler disse...

Mais uma vez recorro às lágrimas ao ler teu post, mas desta vez, lágrimas de esperança e alegria, pois está chegando ao fim! Beijos da mana, com carinho.

Karen

Anônimo disse...

Cade vc?sua historia e linda,que
Deus teabencoe,dando,Saude e muita forca q vc continue enchendo coracoes
de esperNcA.vida ,vida para vc! AdrianA m











Rebecca Macêdo disse...

Olá Victor! Bom, você não me conhece, mas eu já sei bastante da sua batalha... no fim de 2011 descobri um osteossarcoma no úmero esquerdo e nas minhas pesquisas na internet acabei achando o seu blog... li, reli e me familiarizei com diversos termos que só mais tarde pude conhecer de perto... não deixei nenhum comentário, acho que porque tudo estava uma bagunça e eu só queria mesmo saber pelo que eu ia passar... terminei o tratamento em novembro do ano passado. Me arrependi de não ter feito um blog na época, mas resolvi fazê-lo agora... voltei no seu blog para me inspirar e tomei um susto ao ver que você tinha postado tão recentemente... espero que você esteja bem! E que agora só volte a postar para contar que existe vida após a quimioterapia e todas as coisas que nós passamos. Sempre darei uma passadinha por aqui... se quiser, pode dar uma passada no meu também! Beijos e fica com Deus.
http://www.celulasegocentricas.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

Oi Vitor,
Tenho uma amiga que também foi diagnosticada com osteossarcoma há alguns meses. Ela foi se tratar em uma outra cidade e não estamos tendo contato "cara a cara". Isso me preocupa, pq não sei de fato, se ela está tão forte quanto aparenta no telefone, facebook.
Hoje acordei pensando muito nela, nas dificuldades que ela está enfrentando e principalmente no medo que ela, com certeza, está sentindo.
Então decidi entrar na internet para saber mais sobre o cotidiano dessa das pessoas com osteossarcoma,encontrei seu blog e o que posso dizer é OBRIGADA! Obrigada por compartilhar esse momento da sua vida, através do seu blog sinto que consegui me aproximar um pouco mais da realidade da minha amiga.
FORÇA E FÉ!

Anônimo disse...

Ola espero que tudo esteja bem. tenho lido a sua dura luta de vida e desde já parabéns es muito corajoso. descobri que minha filha tem o mesmo problema de saúde a dois meses,não estou em meu país,estou em Portugal e gerir tudo isso longe da família é complicado. neste momento ela está em tratamentos e estou muito satisfeita com a equipe médica,mas falta o apoio familiar,gostaria de saber como funciona os hospitais oncologicos aí no brasil aliás meu país. tenho muito receio de transferir minha filha para aí e ficar insatisfeita. com sua experiência aí o que acha? que tudo corra maravilhosamente bem. abraço

Antonio Santos disse...

Olá
O meu nome é António, sou de Portugal e sou pai de um jovem de 21 anos, o Pedro Abranches, a quem foi diagnosticado também um Osteosarcoma como o do Vitor.
Gostaria que conhecessem um projeto que nasceu há alguns meses aqui em Portugal, por iniciativa de uma jovem que teve um Linfoma e estando hoje curada, no entanto luta pelo conceito da importância de combater o cancro "RINDO".
O projeto chama-se "CANCRO COM HUMOR" e em poucos meses já esteve em todas os canais de televisão e a Marine ( a criadora do projeto ) é chamada para várias conferências.
Ela e o meu filho Pedro, criaram agora o Hino do Cancro com Humor..., conheçam aqui http://youtu.be/YiGI1yehcQo.
O blog: http://cancrocomhumor.wordpress.com/
No facebook: https://www.facebook.com/CancroComHumor.

Por favor divulguem, passem a palavra, ajudem a mostrar como encarar o cancro com humor... É POSSÍVEL SIM!
Abraço

Felipe Barcellos disse...

Vitor, eu te desejo todo o sucesso do mundo nessa luta contra o câncer! Tenha força, coragem, paciência e determinação, você vai sair dessa ! Abraços

Felipe Barcellos disse...

Vitor, eu te desejo todo o sucesso do mundo nessa luta contra o câncer! Tenha muita força, coragem, paciência e esperança, você vai sair dessa! Abraços

M. Exenberger disse...

A Tânia me falou do seu blog. Parabéns pela iniciativa. Teu texto revela muita sensibilidade. É muito inspirador. Parabéns!

Elaine Yumi Makibara disse...

Parabéns pelo blog. Vc é um anjo iluminando muitas vidas com suas palavras e sua história. Através dela consegue passar paz e otimismo para pessoas que, como você lutam pelo presente mais valioso que Deus.nos deu: a vida.

Espero poder continuar acompanhando a sua historia. Espero ansiosamente pela atualização.

Um abraço e fica com Deus.

Anônimo disse...

Como não postou mais nada aqui fiquei curioso e peguei teu nome aqui e fui procurar no facebook pra ver se teria noticias, fiquei feliz em saber que esta bem e que no fim do ano passado casou e foi um casamento muito lindo por sinal o video é realmente emocionante. Mande noticias aqui fale mais sobre esse tempo que ficou afastado e claro muita saude e felicidade pra ti!!

Laíri Aguiar disse...

Cadê você??

idonezia collodel benetti disse...

Oi Vitor... gostaria de ter noticias tuas.

Cacheada por amor!!! disse...

O Vítor faleceu! Uma pena!

Fernando BS disse...

Faleceu por complicações causadas pelo CA?

Unknown disse...

Nossa li todo o relato, não imaginei que infelizmente ele iria descansar. Imaginei q poderia ter sido curado e por isso se distanciou do blog. Mas ao procurar no Facebook, descobri q infelizmente ele faleceu...

É preciso lutar sempre disse...

Fiquei muito triste quando soube que ele faleceu,mas sei que está nos braços do Pai.

Unknown disse...

FELIZ. .mt feliz com tudo que vem acontecendo com vc Gean.
Cada dia um avanço rumo a Vitória!!
Como aprendi na vida é sempre te falei desde o início: ninguém vai passar por nós oq temos que passar Aqui nesse plano espiritual.
Você está privando provando que tudo é possível, que não devemos desistir nunca, que enquanto há vida, há esperança Sim!
Que seu blog seja instrumento de motivação e inspiração pra tantas outras pessoas que estão desacreditados da vida.(Não desanimem!)
Estamos juntos Gean... falta bem pouco agora! Bjao e como sempre, pode contar comigo.