domingo, 23 de junho de 2013

Instantes finais

Começa amanhã o oitavo ciclo de quimioterapia deste segundo tratamento, que seguirá a mesma prescrição dos demais. Serão cinco dias de ifosfamida e ethoposide. Depois disso, mais uns dez dias até a imunidade estar plena novamente e alguns dias a mais para recuperação do nível normal de plaquetas.

Este oitavo ciclo pode ser o último. O tratamento estava inicialmente previsto para nove ciclos, porém o nono ciclo significaria uma dose cumulativa das drogas muito próxima àquelas consideradas limites. Considerando que até o momento meu quadro permaneceu estável, ou seja, até aqui não foram identificadas novas metástases nos exames de imagem, optamos por reduzir o tratamento a oito ciclos.

Sendo assim, amanhã pode ser o início do fim deste segundo tratamento. A confirmação só ocorrerá com os novos exames de imagem, que realizarei após o período de recuperação desta última quimioterapia. São os minutos finais do jogo. Falta pouco, então é preciso redobrar a atenção e resistir até o fim. Reforça-se dentro de mim a cada momento a esperança de dias melhores, livres do câncer e de todas as inquietações mais latentes que ele produz, mas também repletos das certezas e incertezas inerentes à vida que a fazem tão imprevisível e ao mesmo tempo tão desafiadora.

Aliás, sobre a esperança, a seguir transcrito está um trecho do livro Não nascemos prontos! – provocações filosóficas (Petrópolis, RJ: Vozes, 2006) do filósofo Mário Sérgio Cortella.

Enquanto há vida... 
Temos hoje um razoável consenso: os tempos estão terríveis, difíceis, complicados; partilhamos uma época de grande intranquilidade espiritual, de inúmeros padecimentos físicos, de infindos distúrbios existenciais, de profundos dilemas morais. Cabe, porém, uma questão: alguma vez não foi assim? Levando em conta que todo e cada ser humano sempre viveu na era contemporânea, em qual delas não teria valido, então, o alerta de Guimarães Rosa de que “viver é muito perigoso”? 
No entanto, resistimos! A esperança é um princípio vital, expresso na sábia e verdadeira constatação comum de que “enquanto há vida há esperança”; mesmo face às mais (aparentemente) intransponíveis circunstâncias achamos possível ser de outro modo, inventamos e reinventamos alternativas, recusamos a possibilidade de as realidades nos dominarem, e, sem cessar, sonhamos com o mais e o melhor. Em princípio, como para outros animais, as memórias das inevitáveis e sofridas (mas não exclusivas) experiências cotidianas deveriam nos deixar como legado o medo da repetição, o temor cauteloso pelo retorno da sensação ruim e, até, um impulso em direção ao desalento. Contudo, de novo, resistimos! 
É por isso que, em pleno Renascimento (sempre renascimento...) do século 16 ocidental, o magistral Michelangelo dizia que “Deus concedeu uma irmã à recordação, e chamou-lhe esperança”. Essa ideia foi retomada no século 19 pelo dramaturgo francês Victor Hugo - não por acaso um dos expoentes máximos do Romantismo - que afirmava ser “a esperança uma memória que deseja”; e, ainda, na obra Os miseráveis, o mesmo autor nos instiga, afirmando que “julgar-se-ia bem mais corretamente um homem por aquilo que ele sonha do que por aquilo que ele pensa”.  
Sonho aí não significa, claro, devaneio inútil ou delírio; sonho nessa acepção é o lugar do não-pronto, mas, desejado, ansiado, querido. Nessa direção, também o Oriente nos socorre com a milenar inspiração que anima os escritos de Zhou Shuren (mestre da moderna literatura chinesa, conhecido pelo pseudônimo literário Lu Xun); escreveu ele que “a esperança não é nem realidade nem quimera; ela é como os caminhos da terra: sobre a terra não havia caminhos; eles foram feitos pelo grande número dos que passam”.  
O dinamarquês (depois naturalizado norte-americano) Jacob Riis (considerado o primeiro fotojornalista) dedicou sua arte na transição do século 19 para o 20 a escancarar a magnitude dramática da pobreza urbana; publicou centenas de fotografias daqueles que Victor Hugo imortalizara como miseráveis, mas plenos de esperança. O fotógrafo consignou a humana capacidade de não desistir em uma belíssima imagem, ao dizer que “quando nada parece ajudar, eu vou e olho o cortador de pedras martelando sua rocha talvez cem vezes sem que uma só rachadura apareça. No entanto, na centésima primeira martelada, a pedra se abre em duas, e eu sei que não foi aquela a que conseguiu, mas todas as que vieram antes”.  
Os excessivamente pragmáticos (ou corretamente chamados de idiotas da objetividade) diriam ser esta uma concepção piegas; são esses, com muita probabilidade, incapazes de compreender a esperança como produtora de futuro e aniquiladora da dureza do existir. Assim, não perceberiam a profunda beleza contida na lenda atribuída ao, também cortador de pedras, Michelangelo. Ao ser perguntado sobre como fizera a escultura de Davi (com quase 4,5 metros em um só bloco de mármore, guardada na Academia de Belas Artes de Florença), ele disse: “Foi fácil; fiquei um bom tempo olhando o mármore até nele enxergar o Davi. Aí, peguei o martelo e o cinzel e tirei tudo o que não era Davi”... 

18 comentários:

Anônimo disse...

Desejo boa sorte para você e muito sucesso. Encontrei seu blog faz alguns meses ao ter alguém da família muito próxima a mim com essa mesma doença. Foi muito útil e valeu demais as informações contidas aqui. Aquele abraço.

Anônimo disse...

Vitor , tenho acompanhado seu blog ! Fico emocianada de ver sua força , determinaçao e fé ! Torço por você!!

Karen Finkler disse...

Mais uma vez recorro às lágrimas ao ler teu post, mas desta vez, lágrimas de esperança e alegria, pois está chegando ao fim! Beijos da mana, com carinho.

Karen

Anônimo disse...

Cade vc?sua historia e linda,que
Deus teabencoe,dando,Saude e muita forca q vc continue enchendo coracoes
de esperNcA.vida ,vida para vc! AdrianA m











Rebecca Macêdo disse...

Olá Victor! Bom, você não me conhece, mas eu já sei bastante da sua batalha... no fim de 2011 descobri um osteossarcoma no úmero esquerdo e nas minhas pesquisas na internet acabei achando o seu blog... li, reli e me familiarizei com diversos termos que só mais tarde pude conhecer de perto... não deixei nenhum comentário, acho que porque tudo estava uma bagunça e eu só queria mesmo saber pelo que eu ia passar... terminei o tratamento em novembro do ano passado. Me arrependi de não ter feito um blog na época, mas resolvi fazê-lo agora... voltei no seu blog para me inspirar e tomei um susto ao ver que você tinha postado tão recentemente... espero que você esteja bem! E que agora só volte a postar para contar que existe vida após a quimioterapia e todas as coisas que nós passamos. Sempre darei uma passadinha por aqui... se quiser, pode dar uma passada no meu também! Beijos e fica com Deus.
http://www.celulasegocentricas.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

Oi Vitor,
Tenho uma amiga que também foi diagnosticada com osteossarcoma há alguns meses. Ela foi se tratar em uma outra cidade e não estamos tendo contato "cara a cara". Isso me preocupa, pq não sei de fato, se ela está tão forte quanto aparenta no telefone, facebook.
Hoje acordei pensando muito nela, nas dificuldades que ela está enfrentando e principalmente no medo que ela, com certeza, está sentindo.
Então decidi entrar na internet para saber mais sobre o cotidiano dessa das pessoas com osteossarcoma,encontrei seu blog e o que posso dizer é OBRIGADA! Obrigada por compartilhar esse momento da sua vida, através do seu blog sinto que consegui me aproximar um pouco mais da realidade da minha amiga.
FORÇA E FÉ!

Anônimo disse...

Ola espero que tudo esteja bem. tenho lido a sua dura luta de vida e desde já parabéns es muito corajoso. descobri que minha filha tem o mesmo problema de saúde a dois meses,não estou em meu país,estou em Portugal e gerir tudo isso longe da família é complicado. neste momento ela está em tratamentos e estou muito satisfeita com a equipe médica,mas falta o apoio familiar,gostaria de saber como funciona os hospitais oncologicos aí no brasil aliás meu país. tenho muito receio de transferir minha filha para aí e ficar insatisfeita. com sua experiência aí o que acha? que tudo corra maravilhosamente bem. abraço

Antonio Santos disse...

Olá
O meu nome é António, sou de Portugal e sou pai de um jovem de 21 anos, o Pedro Abranches, a quem foi diagnosticado também um Osteosarcoma como o do Vitor.
Gostaria que conhecessem um projeto que nasceu há alguns meses aqui em Portugal, por iniciativa de uma jovem que teve um Linfoma e estando hoje curada, no entanto luta pelo conceito da importância de combater o cancro "RINDO".
O projeto chama-se "CANCRO COM HUMOR" e em poucos meses já esteve em todas os canais de televisão e a Marine ( a criadora do projeto ) é chamada para várias conferências.
Ela e o meu filho Pedro, criaram agora o Hino do Cancro com Humor..., conheçam aqui http://youtu.be/YiGI1yehcQo.
O blog: http://cancrocomhumor.wordpress.com/
No facebook: https://www.facebook.com/CancroComHumor.

Por favor divulguem, passem a palavra, ajudem a mostrar como encarar o cancro com humor... É POSSÍVEL SIM!
Abraço

Felipe Barcellos disse...

Vitor, eu te desejo todo o sucesso do mundo nessa luta contra o câncer! Tenha força, coragem, paciência e determinação, você vai sair dessa ! Abraços

Felipe Barcellos disse...

Vitor, eu te desejo todo o sucesso do mundo nessa luta contra o câncer! Tenha muita força, coragem, paciência e esperança, você vai sair dessa! Abraços

M. Exenberger disse...

A Tânia me falou do seu blog. Parabéns pela iniciativa. Teu texto revela muita sensibilidade. É muito inspirador. Parabéns!

Elaine Yumi Makibara disse...

Parabéns pelo blog. Vc é um anjo iluminando muitas vidas com suas palavras e sua história. Através dela consegue passar paz e otimismo para pessoas que, como você lutam pelo presente mais valioso que Deus.nos deu: a vida.

Espero poder continuar acompanhando a sua historia. Espero ansiosamente pela atualização.

Um abraço e fica com Deus.

Anônimo disse...

Como não postou mais nada aqui fiquei curioso e peguei teu nome aqui e fui procurar no facebook pra ver se teria noticias, fiquei feliz em saber que esta bem e que no fim do ano passado casou e foi um casamento muito lindo por sinal o video é realmente emocionante. Mande noticias aqui fale mais sobre esse tempo que ficou afastado e claro muita saude e felicidade pra ti!!

Laíri Aguiar disse...

Cadê você??

idonezia collodel benetti disse...

Oi Vitor... gostaria de ter noticias tuas.

Cacheada por amor!!! disse...

O Vítor faleceu! Uma pena!

Fernando BS disse...

Faleceu por complicações causadas pelo CA?

Unknown disse...

Nossa li todo o relato, não imaginei que infelizmente ele iria descansar. Imaginei q poderia ter sido curado e por isso se distanciou do blog. Mas ao procurar no Facebook, descobri q infelizmente ele faleceu...